Arquivos audiovisuais: a imagem urbana entre as lacunas e a pregnância histórica

Este Projeto de Pesquisa nasceu com a realização do curta-metragem PASSEIO PÚBLICO (Andréa França e Nicholas Andueza, 2016) que investiga o que eram as imagens urbanas do Rio de Janeiro da década de 1920. O curta retoma as imagens de um outro filme, A CIDADE DO RIO DE JANEIRO (Alberto Botelho, 1924), cujos pedaços foram encontrados nos arquivos da Cinemateca do Museu de Arte Moderna (RJ). O filme de 2016 indaga o que é possível construir a partir das imagens urbanas do Rio dos anos 1920, o que é possível fazer com elas, que tipo de atualidade podemos encontrar nos documentos da antiga capital do país. Este Projeto dialoga com autores que defendem que toda imagem-documento retomada é um mapa cognitivo, afetivo, sensorial, cujos referentes imediatos cedem lugar a novas associações, justaposições e percepções (Didi-Huberman, 2003; Kingman, 2011; Russell, 2018). Interessa ao projeto avaliar as camadas de ausências e apagamento que compõem todo documento inserido em filmes e experimentos audiovisuais diversos. Se todo documento é também um ato de barbárie (W. Benjamin), de destruição, interessa ao projeto suas camadas de ausências à medida que estas possam funcionar como gatilho para indagações sobre o presente (Doane, 2002; Baron, 2014; Blumlinger, 2009). 

Publicado por Andrea França

Andrea França

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *