A cena se repete, manhã após manhã. Enquanto espero para atravessar a rua com os cachorros, o clarão no gramado do outro lado quase me cega: às 8h o sol bate no saco plástico estendido ao lado de uma das árvores. Espero mais um pouco e o taxista atravessa a rua para urinar ao lado do saco. Os cachorros ficam indóceis, atravesso a rua.

O plástico guarda um homem — do frio da madrugada, da chuva eventual dos últimos dias, da urina do taxista. Todos evitamos o plástico que guarda o homem, que às 8h10 se levanta, coloca a mochila nas costas e sai, deixando seu espectro lá, dentro do saco, que mantém o formato do corpo do homem. Cadáver. Corpo abjeto. Nos remete à nossa própria mortalidade, nos remete aos corpos mortos pela covid, empilhados, que as redes sociais nos exibem à exaustão. Nos remete a outra pandemia, a do capitalismo, que patrocina desigualdades para as quais fechamos os olhos. Se urinamos no plástico que guarda o homem, se damos a volta para não olhar o espectro que o saco protege, não tem homem, não tem miséria, não tem morte.

Amanhã, às 8h, enquanto espero para a atravessar a rua com os cachorros, o sol vai bater no saco plástico que guarda o homem e o taxista vai urinar na árvore ao lado. E eu vou desviar.

(Texto escrito em junho de 2020, primeiro ano da pandemia do coronavírus)

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *